18 3901 8000

Notícia

Início » Notícia

14/03/2016 10:42

Cardiologista Aloísio Muniz Andrade morre aos 52 anos

Cardiologista Aloísio Muniz Andrade morre aos 52 anos

É com profundo pesar que a Santa Casa de Presidente Prudente informa o falecimento do cardiologista Aloísio Muniz Andrade. O médico era integrante do corpo clínico da Santa Casa havia  vinte e três anos. Ele também atuava na clínica ‘Cardiovida’ e Instituto do Coração de Presidente Prudente.  O cardiologista de 52 anos morreu neste domingo (13),  em decorrência de uma infecção que evoluiu de forma rápida. Ele chegou andando ao hospital  por volta de 9h da manhã em estado febril e com mal estar. Em duas horas o quadro piorou, foi entubado e não respondia as manobras da equipe. Ele faleceu às 17h de um choque séptico fulminante. “Ele era um paciente esplenectomizado (sem baço) que fica sujeito a infecções comuns do nosso cotidiano”, afirmou o infectologista André Pirajá que participou do atendimento.

 

O cardiologista era formado pela Universidade Federal de Santa Maria (RS),  com Residência em Clínica médica no Hospital do Servidor Público Estadual Francisco Morato de Oliveira (SP) e Residência em Cardiologia pelo Instituto Dante Pazzanese de São Paulo. Um profissional reconhecido pelos colegas por sua dedicação ao trabalho, disciplina e competência. “Sempre muito estudioso, metódico, correto e honesto foi peça essencial para o engrandecimento do serviço de cardiologia da Santa Casa” afirmou o diretor clinico da instituição, cardiologista Luís Carlos Pontes.

O cardiologista Carlos Eduardo Bosso, diretor técnico e coordenador da UTI Coronariana da Santa Casa também destacou a atuação de Dr Aloísio. “Perdemos um grande amigo, sempre presente logo cedo com um sorriso e muita disposição. Perdemos um grande cardiologista, detalhista e de competência inquestionável. E perdemos uma grande pessoa, sempre racional em suas decisões e de pé no chão. Hoje é um dia de luto para toda nossa região”, afirmou Bosso.

 

O Dr. Aloísio Aloísio Muniz Andrade também era muito querido e respeitado pelos  inúmeros pacientes. “Estamos em choque. Perdemos um amigo, um irmão, um profissional excelente que com certeza nos fará muita falta. Fez da medicina um sacerdócio. Que Deus o receba e conforte sua família”, afirmou o cardiologista José Carlos Bosso.